Trânsito de Vénus
 2004/06/08 05:20:24—11:25:18 UT TRÂNSITO DE VÉNUS (dura 06:04:54) 
Milhares de pessoas situadas em 3 continentes (Europa, África e América) poderão observar a passagem do planeta Vénus sobre o disco Solar.
Pode ser visto sem telescópio e com óculos para o efeito à venda por € 1.5 nas farmácias
É parecido com eclipse porque existe alinhamento de centros só que nada se eclipsa… O último Trânsito de Vénus ocorreu em 1882, há 122 anos… depois de 2004, o seguinte ocorrerá em 2012 (8 anos depois), mas não será visível em Portugal; depois será em 2117 (+ 122 anos)… completando-se o ciclo.Ver o Horário para Lisboa e Porto para observar em 2004.
Ver o tânsito na Internet (webcam): http://www.venus2004.org/webcam.php
http://sunearth.gsfc.nasa.gov/eclipse/transit/TV2004.html (Fred Espenak)
 


REGRAS DE SEGURANÇA para observação do Sol
http://www.venus2004.org/sinformer/n/news3367.php?langue3

Uma pequenina animação flash (10 kb): http://pedro-felix.planetaclix.pt/astronomias/venus_trans_anim.html

 

 Informação sobre trânsito de Mercúrio (2003) e Vénus (2004) em português 
http://www.vt-2004.org/mt-2003/mt-edu-event-portugues.html

 

Advertência necessária: as imagens e texto base (mas não em português) fazem parte do site http://www.vt-2004.org/ cuja responsabilidade pertence à European Southern Observatory (ESO). A minha intenção é sobretudo chamar a atenção para este evento imperdível de 2004/06/08 cuja atenção vai ser mundial. Pretendo aflorar de forma básica e acessível uma informação cujo conteúdo é de longe muito mais complexo, riquíssimo em pesquisa científica, que tem atravessado várias gerações de astrónomos que aguardaram ansiosamente a oportunidade de observar um evento deste tipo, de aperfeiçoamento de técnicas de registo, de desafios pessoais ou de Estados, expedições, de conquistas e desaires…

 

Na origem desta pesquisa científica esteve um apelo lançado por Johannes Kepler em 1627 o primeiro astrónomo a prever tal evento. Kepler já não pôde viver para testemunhar… mas as suas predições, confirmadas em 1631 pelas observação de Gassendi, consistiram num triunfo inabalável do sistema heliocêntrico e da Razão. Edmond Halley após observação do trânsito de Mercúrio de 1667 amadureceu a ideia de que era possível determinar a escala do nosso sistema solar (e do Universo) e em 1678 lançou um novo apelo para que, no longínquo ano de 1761 (83 anos à frente…), os astrónomos registassem o percurso de Vénus sobre o Sol, em diferentes pontos do globo, de modo calcular a paralaxe solar.

Desde o apelo lançado por Kepler só foi possível observar-se cinco trânsitos de Vénus até 2004.


Milhares de pessoas em três continentes durante o trânsito de Vénus vão registar as suas observações por métodos distintos para aferirem a distância da Terra ao Sol! Os astrónomos avaliaram 1 Unidade Astronómica (distância Terra—Sol): 149  597  870  691 metros! Mas quanto se poderá aproximar esta medida com a observação do Trânsito de Vénus em 8 de Junho de 2004?

 

O exercício poderá ser considerado meramente pedagógico, pois a determinação desta unidade de referência foi realizada com radar… mas certamente que a Ciência é Arte e novas técnicas se apresentarão durante um evento de conhecimento científico que reunirá simultaneamente o maior número de pessoas à escala planetária.

 

 

 Uma explicação geométrica simples… 

 

Na Terra, para medir a distância a lugares remotos, sem ter que lá ir…, utiliza-se a triangulação.

 

 

De igual modo pode ser medido o tamanho da Terra, a distância aos planetas e a estrelas, usando paralaxes! O que é isso? É a medida da diferença de ângulos de observação de um mesmo objecto realizada por duas pessoas suficientemente afastadas uma da outra mas conhecida a distância entre elas.

 

 

Para determinar a distância entre a Terra e uma estrela é necessário medir-se o ângulo de visão da estrela pelos observadores, e conhecer a distância da base entre os observadores…

 

 

Para objectos muito afastados, a acuidade da medição depende do comprimento da linha da base. É necessário medir ângulos com suficiente precisão. Para estimar a distância da Terra a Marte, por exemplo, apenas é necessária determinar a paralaxe e usar uma distância conhecida (determinada pelo afastamento de observadores).

 

 

Para estimar a distância da Terra a Vénus: a projecção do disco escuro do planeta no disco solar durante o trânsito difere para dois observadores terrestres. Sendo possível medir a paralaxe (ângulo) e já conhecido o afastamento dos observadores posicionados no globo Terrestre.

 

 

As distâncias no Sistema Solar são calculadas através da paralaxe usando as Leis de Kepler.

 

 


Informação relacionada:

Translation of Halley's 1716 paper in the Philosophical Transactions of the Royal Society of London, Vol. XXIX, describing his technique. (Very interesting reading).
http://www.dsellers.demon.co.uk/venus/ven_ch8.htm

 

How Far to the Sun? The Venus Transits of 1761 & 1769. Just how big is an AU, anyway?
http://www-astronomy.mps.ohio-state.edu/~pogge/Ast161/Unit4/venussun.html

 

How far to a Star? Parallaxe
http://www-istp.gsfc.nasa.gov/stargaze/Sparalax.htm

 

O ESO (European South Observatory, de que Portugal é membro) criou uma página especial sobre o trânsito de Vénus. Actividades…
http://www.eso.org/phorum/list.php?f=1

 

Juntos vamos calcular a Unidade Astronómica (um site acessível, pedagógico e também em português e que convida a participar com registo fotográfico ou cronométrico)

http://www.venus2004.org/pr/

 

Udo Backhaus
http://didaktik.physik.uni-essen.de/~backhaus/VenusProject.htm#earth

 

Referência especial às páginas bastante completas, de amadores portugueses:
de Nuno Crato, co-autor do livro Trânsitos de Vénus (2004)
http://pascal.iseg.utl.pt/~ncrato/Transit2004


de Jorge de Almeida, divulgador científico
http://astrosurf.com/ceu/venus2004.html

 

Outras de interesse prático

de João Paulo Vieira
http://oficina.cienciaviva.pt/nastab/transitovenus.html

 


 

 Divulgação científica (Lisboa)  txt

http://www.gulbenkian.org/despertar_2004.gif
  http://www.fc.ul.pt/historia-ciencias.html
  http://www.fc.ul.pt/kepler.html
  http://mat.fc.ul.pt/pt/noticias/item/71
  http://www.cienciaviva.pt/home/

 

 

 

Astronomias Pedro Félix